A Revista de Filosofia do Direito, do Estado e da Sociedade (FIDES) nasceu em meados de dezembro de 2009 por iniciativa de estudantes do Curso de Direito da UFRN e estimulada por professores de compromisso indubitável com a construção do saber. Baseada na simplicidade, na informalidade e no incentivo à pesquisa e produção científicas, a 1ª edição da Revista veio em 14 de fevereiro de 2010. Com o intuito de aproximar saberes e propiciar acesso livre à informação científica, foi escolhido o meio eletrônico para publicação, visto que possibilita a necessária proximidade entre os autores e a Equipe Editorial para o aperfeiçoamento dialético dos trabalhos.

Essa revista científica eletrônica traz em sua sigla três nuanças: uma FIDES confiança, uma FIDES filosofia, uma FIDES democratização de acesso ao conhecimento!

A raiz da palavra fides advém do latim e significa fé, confiança. Esta é a primeira nuança. A segundo, por sua vez, inspira-se na ideia de criação de um grupo de discussão jusfilosófica para pessoas despreocupadas com a reprodução “chicleteana” e autômata das ideias, a “filosofia para desocupados”. A terceira nuança, por fim, é a da revista eletrônica. É a democratização de acesso ao conhecimento, que indica não apenas a gratuidade de acesso aos textos completos na internet, mas também o intuito de implementação de uma cultura de incentivo à pesquisa científica no âmbito da graduação.

Esclarecida a tríplice origem do nome da revista, veremos que tanto mais diamantina é a delimitação de seu escopo. O que é uma revista de Filosofia do Direito, do Estado e da Sociedade? Em breves palavras, a FIDES é uma revista eletrônica de Filosofia aplicada que abrange elementos jurídicos, estadísticos e sociológicos.

Em relação aos elementos estadísticos e sociológicos, nada novo! Mas, quanto aos elementos jurídicos, estes nem sempre serão os provenientes de lei, doutrina ou jurisprudência, e sim, por vezes, a simples normatividade que emana da convivência em sociedade. O calcanhar de Aquiles, no entanto, está no viés filosófico!

Se a própria Filosofia às vezes é vista como algo vago e sem objeto, e às vezes como algo denso e com objeto complexo, o que caracterizaria, para a Revista FIDES, um texto filosófico? Bem, desde a primeira edição optamos que seja a despreocupação com a reprodução “chicleteana” e autômata das ideias, ou, noutras palavras, o ato de pensar sobre, de questionar. Espera-se tão somente que o autor fuja da repetição acrítica das ideias, da mera colação de pensamentos alheios, da ausência de espaço ao posicionamento pessoal, tudo para que, enfim, possamos refletir sobre o que nos cerca.

Os pilares da Revista, como exposto anteriormente, são a simplicidade, a informalidade e o incentivo à pesquisa e produção científicas. Simplicidade na linguagem, nas apresentações visual e conceitual e nos procedimentos. Informalidade em favor do incentivo à publicação, mas sem descurar do rigor científico necessário à seriedade e utilidade dos trabalhos. Incentivo à pesquisa e produção científicas que sinaliza para a transformação de paradigmas que alimentam a produção mecânica do conhecimento.

Esse estímulo opera-se por meio do auxílio dado pelos membros da Equipe Editorial no aperfeiçoamento dos artigos, especialmente, por meio das “revisões requeridas”, em que os Editores de Seção fazem apontamentos sobre aspectos formais do artigo que precisam ser adequados às normas da Revista e da ABNT, sobre a estruturação e concatenação lógica dos elementos de um artigo, entre outros. Assim, tal incentivo garante que nenhum trabalho submetido à FIDES será excluído aprioristicamente do processo de avaliação por motivo de inobservância de critérios formais.

Só então o artigo é enviado um membro do Conselho Científico, que dará seu parecer sugerindo alterações ou recomendando sua publicação. Assim, após ter seu trabalho avaliado, o autor pode ser chamado a promover novas revisões, para que opere eventuais correções ou melhorias, o que completa um ciclo de permanente contato para a troca de conhecimentos e aprimoramento das produções.

E a FIDES objetiva ir além... Busca promover gradual mudança de cultura no ambiente acadêmico no que diz respeito à diversificação das fontes de referência na pesquisa. Artigos científicos jusfilosóficos não devem ser produzidos exclusivamente com base em livros. A riqueza de ideias presentes em artigos de revistas e jornais, em músicas e poesias, em documentos da história e da cultura, e até nas simples conversas de nosso cotidiano, tudo pode e deve ser objeto do olhar jusfilosófico. E mesmo que se opte apenas por livros, a pesquisa ganha em qualidade quando se vai além das figurinhas conhecidas... Autores e obras de referência são importantes, mas o universo não se restringe a eles!